Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Notícias / Arquidiocese

12/06/2018 21h21

Terço das Mulheres em Alagoas celebra seu XI aniversário

Encontro aconteceu no Ginásio sob sesi, localizado na Cambona

Rose Lino - Comunicação Arquidiocese de Maceió
Rose Lino / Pascom Maceió

No último dia 10 de junho aconteceu mais uma festa de aniversário do Terço das Mulheres no Ginásio do SESI na Cambona, com o tema: Maria Mãe da Misericórdia!
O Movimento Terço das Mulheres, foi fundado no dia 01/05 2007 na Diocese de Palmeira dos Índios por Maria José Cardoso Ferro que em sonho com sua mãe, recebeu um “chamado”, uma revelação onde ela ouviu que A EUCARISTIA É TUDO! Contemplando um tercinho bem simples que pertenceu à sua mãe percebeu que através da reza do santo terço poderia levar multidões à Eucaristia. O movimento que começou com oito comunidades em Palmeira dos Índios hoje se espalha por várias Dioceses do país. Segundo a Drª Maria José Cardoso Ferro, o Movimento não consiste apenas na reza do terço mas também em ações para com os desassistidos da sociedade. Surgiu então o grupo de Oração AME (Amor Maior à Eucaristia), uma ONG – sediada em Palmeira dos Índios, que leva oração e também auxílios às pessoas necessitadas.
A comemoração de aniversário começou com a reza do terço por representantes de alguns bairros da capital, várias cidades e comunidades do interior do estado como Palmeira dos Índios, Cacimbinhas, Minador do Negrão, Igaci (povoado Lagoa do Capim), Quebrangulo, Mata Grande bem como de cidades de Pernambuco como Águas Belas (Paróquia Nossa Senhora da Conceição) e Bom Conselho e animada pelo Ministério “Raio de Luz” de Santa Luzia do Norte. Após a reza do terço houve o momento de exposição e adoração ao Santíssimo Sacramento.
Em seguida foi celebrada a Santa Missa pelo padre Sérgio Tenório da Paróquia Nossa Senhora das Dores (Santa Lúcia) e animada pelo coral “Jovem Seguidor” da Paróquia Santa Catarina de Labouré (Aldebaran). O padre iniciou a homilia saudando as Mulheres do Terço e o movimento inspirador e inspirado da nova realidade. Deu prosseguimento falando das leituras do dia que nos levam a refletir sobre as relações interpessoais, sobre as relações humanas permeadas pelo medo, vergonha (dos pecados), onde as pessoas preferem se esconder para o outro não perceber seus medos. Fogem de Deus numa relação de medo por achar que Ele vai nos punir severamente quando maior do que a punição é o amor de Deus por nós. Por fugirmos de Deus é que Ele nos procura, pois a nossa consciência nos leva a reconhecer o pecado não precisa ninguém acusar. A Religião deve levar aos outros o amor de Deus, deve nos levar a tomas consciência que o amor de Deus não pode ser traído. O evangelho nos mostra que Jesus veio para libertar os oprimidos, os sofridos e isso era uma ameaça aos poderosos como ainda o é nos nossos dias. Como uma boa e zelosa mãe, Maria vai atrás de Jesus pois o acusam de louco, o difamam. Essas acusações saem de dentro da igreja, é no ambiente da igreja que saem as calúnias, no meio do contexto religioso é que as línguas ferinas atacam. Jesus não pode compactuar com o mal, ele desmonta o argumento sórdido de sua loucura, o pecado contra o Espírito Santo não tem perdão pois a ação de Jesus é a ação do Espirito Santo. A ação de Jesus hoje é perpetuada por ações como a das Mulheres do Terço, dos Homens do Terço e outras ações que cuidam de levar o nome de Jesus aos que não conhecem.
​Neste dia em que se celebra o aniversário das Mulheres do Terço, olhamos para Maria que construiu um itinerário de fé, a família, sua consagração, sua concepção é só um marco na sua vida, é olhar para a coragem de Maria e imitá-la. Ninguém como Maria conseguiu imitar Jesus, pois guardava tudo no seu coração e Jesus pôde no seu silêncio agradecer por ela. É na imitação à Maria que vamos até Jesus. É uma caminhada marcada por momentos árduos, como a caminhada de Maria mas que nos levará ao céu.
A síntese do Evangelho de hoje é que não podemos compactuar com o mal. Não podemos nos calar ante a covardia dos outros, à corrupção e a mentira, para que possamos ser luzes e não deixarmos a chama do amor de Jesus se apagar. Para alcançarmos aquilo que precisamos devemos rezar com Maria e não para Maria. Peçamos também coragem em meio ao ceticismo e tenhamos a certeza de que quem experiência Deus, pode falar ao mundo da presença de Jesus em seu coração. Que este Movimento em cada paróquia, em cada coração, possa transformar vidas seguindo os passos de Maria para iluminar esse mundo que jaz nas trevas, disse o padre Sérgio.
A festa continuou com a palestra de Fabiano Passos (ex seminarista) de Palmeira dos Índios, sobre o tema: Maria Mãe da Misericórdia. Fabiano começa citando o Papa Francisco quando diz que “Jesus é o rosto da Misericórdia e Maria é a Mãe da Misericórdia”. Ao rezar o terço e contemplarmos o olhar materno de Maria pedimos um milagre para nós, fazemos nossos pedidos esperamos o milagre crente na palavra de Deus. Ninguém parece com Jesus quando reza, mas sim quando faz a vontade de Deus e citando a última palavra de Maria na Bíblia “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Quando somos obedientes a Ele, quando somos parecidos com ele deixamos que Deus tire do nosso coração aquilo que não vem dele para que sejamos parecidos com Maria. Olhar para a Mãe é estar com o olhar no Pai pois ela aponta para Ele. Quando nos colocamos diante de Deus Ele tira algo de nós para dar algo dele.
A mãe que nos olha com o título de Misericordiosa quer a nossa vida para apresentar ao Filho. Somos Marianos quando acreditamos e não só quando rezamos o terço e temos que levar Maria para a nossa vida, para nossa casa. Quando levamos a Mãe de Misericórdia para nossa casa, levamos também “um exército em ordem de batalha”, e ao rezarmos o terço temos nas mãos uma arma poderosa pois é instrumento para que o inferno se esvazie em cada Ave Maria rezada. Somos felizes por que fazemos parte de uma geração que proclama Maria como a bem aventurada.
Conversamos com alguns dos participantes como a Ana Paula (Sítio Novo, Cacimbinhas). Ela disse que através da reza do terço consegue muitas bênçãos para sua família. Quando começou o movimento não havia capela no local, elas se reuniam na escola, hoje já existe uma capela de Nossa Senhora das Graças. Girleide de Palmeira dos Índios participa do Movimento há 3 anos e já alcançou muitas graças e através da reza do terço consegue passar pelas dificuldades. Francisca (Povoado Lagoa do Capim), participa desde o início do Movimento e diz que a reza do terço mudou a vida da comunidade pois fez muitas mulheres se desprenderem de casa, deixar a TV e ir pra igreja rezar é um resgate da oração nas famílias, hoje além de ser um passeio é um encontro de oração. Zélia moradora da Ponta Grossa ouviu o anúncio da festa na Rádio Imaculada AM e veio participar. Está muito feliz pois é devota de Nossa Senhora das Graças e a partir de agora vai procurar participar do Terço das Mulheres. Maria de Lourdes coordenadora do Movimento em Águas Belas PE fala da tarde maravilhosa que está vivendo. Ela tem aprendido muito com o Terço das Mulheres, inclusive há muitas crianças que participam do terço e já aprenderam sobre Nossa Senhora e as bênçãos que recaem sobre as famílias. Ouvimos também Veroneide de Mata Grande. Ela fala que é um privilégio divino tamanha graça de poder participar desse aniversário. 

Sem comentários! Seja o primeiro!!!
Deixe seu comentário

ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ | Igreja Missionária e Samaritana

Pastoral da Comunicação Cúria: (82) 3223-2732 ou 3021-4001 (07h30 às 14h) Gabinete do Arcebispo: (82) 3326-2321 (8h às 12h) PASCOM: (82) 3326-5458 (8h às 14h) Av. Dom Antônio Brandão, 559 – Farol 57051-190 Maceió – AL