Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Arquidiocese de Maceió | Igreja Missionária e Samaritana

Notícias / Arquidiocese

08/02/2018 14h07

Paróquia São Sebastião, em Rio Largo, ganha Comunidade dedicada a Santa Águeda

Santa Águeda, mártir da Igreja, sofreu castigos terríveis por não negar sua fé. A Santa é a patrona das mulheres que sofrem com câncer

Maria Cícera - Comunicação Arquidiocese de Maceió
Fotos? Maria Cicera/Pascom Maceió

 A paróquia São Sebastião, no Tabuleiro do Pinto em Rio Largo, realizou um tríduo, de 02 a 05 de fevereiro, em honra à Santa Águeda, mártir e protetora das mamas. As celebrações ocorreram em um local, ainda improvisado pela nova comunidade, mas digno para a Santa Missa e para o acolhimento aos fiéis.

No dia 05 de fevereiro, festa litúrgica da mártir Santa Águeda, padre Hamilton Alves Barbosa, pároco, decretou criada a mais nova Comunidade e anunciou Santa Águeda como patrona. O sacerdote expressou sua alegria e destacou que a comunidade ganha uma santa que provou na carne a dor e os mais cruéis castigos, porém nunca deixou que fosse abalada sua fé.

“Até onde tenho conhecimento está é a primeira comunidade dedicada a Santa Águeda em nossa Arquidiocese. Que aqui seja um lugar de conforto e acolhimento especialmente para as mulheres que sofrem com o câncer”, disse o padre.

“Para nós é motivo de alegria e orgulho, dedicarmos à Santa Águeda uma comunidade. A minha intenção para criar esta comunidade foi motivada pelas mulheres que, quando diagnosticada com câncer, perdem todo sentido da fé e Santa Águeda é aquele sustentáculo da fé. Mulher forte mesmo diante do martírio, do sofrimento de ter suas mamas arrancadas, ela foi fiel e confiou em Jesus Cristo”, explicou padre Hamilton.

Dona Zezé, uma das coordenadoras da Comunidade, destacou sua alegria em acolher, próximo a sua casa, o local de núcleo provisório para as atividades da comunidade.

“Para Jesus tudo, eu só recebo graças de Deus! E essa primeira festa de Santa Águeda me deixou admirada com a participação dos paroquianos e de visitantes”.

Para Leilane, jovem que ajuda dona Zezé na coordenação das ações da comunidade, a história de Santa Águeda precisa ser divulgada ainda mais. Ela expressou sua admiração com a participação dos paroquianos e visitantes durante o primeiro tríduo.

“Nosso pároco nos apresentou a decisão, inspirada por Deus ao seu coração, e nos motivou a celebrarmos o tríduo e ao mesmo tempo criar a comunidade. Estamos muito felizes!”, enfatizou a jovem.

Concelebraram com padre Hamilton os padres José Magalhães, que já foi pároco por 12 anos, e Francisco Guido. Ambos discorreram, ao final da celebração, sobre sua admiração ao entender mais intimamente a história de Santa Águeda.
Santa Águeda - Virgem e mártir dos primeiros séculos
Origem
Águeda nasceu em Catânia, Itália. Era filha de nobres e teve uma educação esmerada, principalmente na fé cristã. Foi evangelizada ainda criança e isso determinou todo o seu futuro. A menina experimentou o amor de Deus e não mais trocou este amor por nada neste mundo.

Vida com Deus
Era de família muito rica e sempre foi muito bonita. Mas ainda jovem, consagrou a sua vida a Cristo, sempre ajudando os mais pobres e procurando uma vida de constante oração. Ela sentia em seu coração o forte desejo de uma consagração total e cada vez mais profunda, para dedicar sua vida à missão de anunciar a Boa Nova de Cristo a todos e ajudar os mais necessitados. Este era o grande desejo de seu coração. Nisso estava a sua felicidade.

Pedido de casamento
Porém, Quinciano, que era um nobre rico, poderoso e Cônsul da Itália, apaixonou-se por Águeda. Ficou encantado pela beleza e nobreza da jovem e queria de todas as formas casar-se com ela. Águeda, porém, já havia entregue seu coração para Deus e recusava-se terminantemente a se casar. Na sociedade em que ela viveu, isso era estranho, pois as mulheres eram obrigadas a aceitarem pedidos de casamentos como este. Por isso, não se conformando com a recusa, Quinciano buscou ajuda até com uma feiticeira, para ver se conseguia mudar o coração de Águeda. Nada disso, porém, deu resultado. Foi quando o Cônsul descobriu que Águeda era cristã e havia feito uma consagração a Jesus Cristo.

Revolta e castigos do pretendente
Revoltado com esta situação, o Cônsul enlouqueceu e mandou prender Santa Águeda na Sicília, sob a acusação de prática de bruxaria e participação de seitas proibidas. O Imperador na época era Trajanus Décius, um grande perseguidor dos cristãos, que deu retaguarda a Quinciano. Este, em seguida, impôs a Santa Águeda grandes torturas.

Submeteu-a a vários interrogatórios cheios de muito sofrimento. Ele exigia que ela renegasse sua fé, mas ela não cedia. Então, ela foi colocada em um calabouço, mas dizia sempre que sua salvação era Jesus Cristo.

Torturas
Não renegando sua fé, e não aceitando se casar com o Cônsul, Águeda foi submetida a torturas com ferro e fogo. Foi esticada na roda, açoitada, marcada com ferros em brasa. Furioso, Quinciano mandou arrancar os seios de Santa Águeda. Depois, jogaram-na no calabouço sem curativos. Lá, porém, ela teve uma visão de São Pedro com um Anjo que a curou com óleos. Quinciano ficou furioso ao ver que ela estava curada. Então, mandou amarrá-la e que fosse arrastada sobre carvão em brasa e vidros. Santa Águeda rezava dizendo: "Meu Senhor Jesus Cristo, Vós sois o meu coração e a minha mente. Leve-me e faça-me sua." Santa Águeda pedia sua morte a Deus, para aliviar seus sofrimentos.

Morte
No meio das torturas de Santa Águeda, houve um grande tremor de terra por causa do vulcão Etna. Assim, Santa Águeda morreu de joelhos, em oração, soterrada pelo terremoto. Era o dia 5 de fevereiro do ano 251.

Morte do perseguidor
O imperador Trajanus Décius deu retaguarda a Quinciano em suas torturas contra Santa Águeda. Por isso ele fez todas aquelas barbaridades. Porém, pouco tempo depois da morte da santa, o cavalo de Quinciano derrubou-o dentro de um rio e ele morreu afogado.

Milagre do vulcão
No aniversário de morte de Santa Águeda, o vulcão Etna iniciou uma grande erupção. Os moradores pegaram o véu da Santa, que era guardado como relíquia pelos cristãos de Catânia e subiram no monte em oração, pedindo que o vulcão, que aliviara os sofrimentos de Santa Águeda adiantando sua morte, aliviasse os sofrimentos do povo local parando sua atividade. Foi, então, que a lava simplesmente parou e cessou a erupção.

A tumba de Santa Águeda está na Catania e seu véu esta exposto na catedral de Florença.
Ela é invocada contra erupções e terremotos.
São Gregório consagrou a igreja dos góticos em seu nome.
Ela é mostrada com uma palma na mão e os dois seios em uma bandeja.

Sem comentários! Seja o primeiro!!!
Deixe seu comentário

ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ | Igreja Missionária e Samaritana

Pastoral da Comunicação Cúria: (82) 3223-2732 ou 3021-4001 (07h30 às 14h) Gabinete do Arcebispo: (82) 3326-2321 (8h às 12h) PASCOM: (82) 3326-5458 (8h às 14h) Av. Dom Antônio Brandão, 559 – Farol 57051-190 Maceió – AL